Adeus a James Caan: vida e filmes

Triste notícia
Despedida
Fim do tweet
Sonny Corleone
Indicado ao Oscar
Um cara durão
Vida no Bronx
Não queria ser açougueiro
Conheceu Coppola na universidade
A Paramount não o queria como Sonny
Quase seria Michael Corleone
Coppola decidiu
Projetos incríveis rejeitados
Poderia haver sido o super-homem
E apesar de tudo...
El Dorado (1966)
Funny Lady (1975)
Rollerball (1975)
Raízes da Ambição (Comes a Horseman) - 1978
Thief (1981)
Misery (1990)
Dogville (2003)
Vegas (2003-2008)
Vida pessoal
James 'Sensei' Caan
Apoiou Trump em 2016
Seu Twitter é história de Hollywood
Triste notícia

"É com grande tristeza que informamos o falecimento de Jimmy. A família agradece a manifestação de amor e sinceras condolências e pede que sua privacidade continue a ser respeitada durante este período difícil. Fim do tweet".

Despedida

Não é por acaso que a família de James Caan escolheu o Twitter como plataforma para oficializar a dura morte de um dos grandes atores do século XX.

Fim do tweet

Também não é por acaso que a declaração foi concluída com um reconhecível "Fim do tweet", a mesma fórmula usada por James Caan. Aos 82 anos, ele era um tweeter interessante que compartilhava fotos maravilhosas.

Foto: Twitter - @james_caan

Sonny Corleone

Obviamente, não vamos lembrar de James Caan como um tweeter (isso também), mas como ator. Foi ele o responsável de dar vida a Sonny Corleone na saga 'O Poderoso Chefão' ('O Padrinho', em Portugal).

Indicado ao Oscar

Foi por sua interpretação do personagem, na primeira parte da obra de Francis Ford Coppola, de 1972, que James Caan recebeu sua primeira e única indicação ao Oscar. No caso, na categoria de Ator Coadjuvante, a qual perdeu para Joel Gray, por 'Cabaret'.

Um cara durão

James Caan entrou para a história por fazer personagens durões em Hollywood.

Vida no Bronx

Ele era um ator e uma pessoa de excessos que fez de suas origens no Bronx sua marca registrada.

Não queria ser açougueiro

Nascido em 1940, James Caan, quando adolescente, tinha duas coisas claras: deixar seu bairro o quanto antes e procurar uma alternativa ao negócio da família: um açougue.

Conheceu Coppola na universidade

Durante o encontro de comemoração dos 50 anos de 'O Poderoso Chefão', ele lembrou que, antes de pensar em ser ator, jogou futebol na Universidade Hofstra. Foi lá onde conheceu Francis Ford Coppola.

A Paramount não o queria como Sonny

O diretor foi fundamental em seu lançamento para o sucesso, ao insistir que James Caan deveria ser Sonny Corleone. A Paramount Studios tinha Carmine Caridi em mente.

Quase seria Michael Corleone

Na verdade, a Paramount queria que James Caan interpretasse Michael Corleone, um papel que Coppola insistiu para que Al Pacino ficasse. No final, deu tudo certo. Menos para Carmine Caridi, é claro.

Coppola decidiu

O motivo da insistência de Coppola com James Caan era que os dois já haviam trabalhado juntos em 'Caminhos Mal Traçados' ('Chove no meu Coração', em Portugal), de 1969. O diretor sabia que Sonny era o papel feito para ele.

Projetos incríveis rejeitados

James Caan tornou-se uma das estrelas mais cobiçadas nos anos 1970, e foi nessa década que ele fez suas melhores atuações. Por outro lado, também rejeitou projetos lendários, cego pela fama de 'O Poderoso Chefão'.

Poderia haver sido o super-homem

'Super-Homem', 'Apocalypse Now', Star Wars' foram alguns deles, além de 'Contatos Imediatos do Terceiro Grau' ('Encontros Imediatos de Terceiro Grau', em Portugal).

E apesar de tudo...

Apesar disso, a filmografia de James Caan inclui joias ocasionais que, talvez, valha a pena recuperar nos dias de hoje.

El Dorado (1966)

Ele tinha 26 anos e em seu quarto filme compartilhou o pôster com John Wayne, nesta obra-prima assinada por Howard Hawks.

Funny Lady (1975)

Em 'Funny Lady', deu vida a Billy Rose, o segundo marido da comediante Fanny Brice, interpretada por Barbra Streisand. Formaram um par perfeito na tela.

Rollerball (1975)

Este filme previu um futuro distópico (em 2018) em que não havia guerras e o entretenimento de massa da humanidade era Rollerball, no qual Jonathan E (Caan) era a verdadeira estrela.

Raízes da Ambição (Comes a Horseman) - 1978

A facilidade de James Caan para viver um caubói era inegável. Alan J. Pakula trouxe o melhor do ator, combinando-o com Jane Fonda e Jason Robards.

Thief (1981)

Um ladrão exemplar quer dar o último golpe antes de se aposentar, mas tudo se complica. 'Thief' é um filme esquecido dos anos 1980 e o primeiro de um desconhecido, na época, Michael Mann.

Misery (1990)

Este é um dos melhores filmes de terror da história. Kathy Bates provoca James Caan em seu papel de fã afetuosa e não o deixa sair de sua casa.

Dogville (2003)

Para desgosto de Nicole Kidman, James Caan apareceu somente no final deste filme de Lars Von Trier.

Vegas (2003-2008)

Menção especial à série transmitida pela NBC, na qual James Caan deu vida a Ed Deline, ex-agente da CIA, encarregado de operações e segurança no Montecito Casino em Las Vegas. O ator esteve no comando por quatro temporadas.

Vida pessoal

James Caan foi casado quatro vezes e teve cinco filhos. O mais conhecido, Scott Caan (segundo da direita, na foto), integrou o elenco da saga 'Onze Homens e Um Segredo' ('Ocean's Eleven - Façam as Vossas Apostas', em Portugal).

James 'Sensei' Caan

O ator também foi mestre de Karate Tak Kubota. Ele chegou a treinar, inclusive, o Departamento de Polícia de Culver City.

Apoiou Trump em 2016

E sim, James Caan foi um dos rostos familiares que apoiaram a candidatura de Donald Trump, em 2016.

Seu Twitter é história de Hollywood

James Caan deixa um legado audiovisual espetacular e uma registro precioso seu em sua conta no Twitter, imperdível para quem quer conhecê-lo mais.

Más para ti