As vacinas que salvaram a humanidade ao longo da história

Instrumento que salva vidas
Vacinas para viver
As vacinas reduzem a mortalidade
As vacinas ainda não chegam para todos
Riscos de epidemias
Aumentam casos de sarampo
Surto de sarampo
Doenças que podem ser evitadas com as vacinas
Fatores que impedem o acesso às vacinas
Falsos mitos sobre a importância das vacinas
As vacinas não causam autismo
As vacinas são seguras
As vacinas passam por várias comprovações
Etapa pós-comercialização
As vacinas também passam pela aprovação da OMS
As vacinas são um investimento
A imunização diminui os gastos em tratamentos
Erradicação da poliomielite
Erradicação da poliomielite
Novas vacinas surgirão
Instrumento que salva vidas

Povos do mundo inteiro esperaram ansiosos o fim da pandemia de covid-19. Embora os contágios ainda sejam muitos, a volta à vida quase normal já é possível, graças às várias vacinas criadas para combater o coronavírus. De fato, ao longo da história, ficamos livres de várias doenças devido a alta taxa de imunização, através deste tipo de medicamento. Veja na galeria!

Vacinas para viver

"Com exceção da água limpa, nenhum outro fator, nem sequer os antibióticos, tem exercido um efeito tão importante na redução da mortalidade". Assim é como a Organização Mundial da Saúde abre este relatório sobre a imunização através das vacinas.

Foto: Pixabay / @moritz320

 

As vacinas reduzem a mortalidade

As vacinas evitam mais de 2,5 milhões de mortes infantis a cada ano. A pneumonia e a diarréia são as principais causas de mortalidade infantil. Felizmente, as vacinas contra pneumococos e rotavirus estão, cada vez mais, permitindo uma mudança neste cenário.

Foto: Unsplash / @cdc

As vacinas ainda não chegam para todos

Mais de 100 milhões de crianças são vacinadas ao ano, segundo a OMS, e esta oportunidade de crescer saudável é indiscutível para o futuro de cada um. Entretanto, o objetivo é alcançar ainda 24 milhões de crianças que vivem em países pobres ou afetados por conflitos onde o acesso às vacinas ainda é precário.

Foto: Pixabay / Spencer Davis

Riscos de epidemias

O fato da imunização não chegar a pelo menos 95% da humanidade, incluindo pessoas que deixaram de ser vacinadas no passado, provoca surtos de doenças evitáveis como o sarampo, que ressurge inclusive em países onde a cobertura de vacinação é alta.

Aumentam casos de sarampo

No primeiro semestre de 2019, foram registrados quase 365 mil casos de sarampo no mundo. Entretanto, a OMS estima que este número é muito maior, pois menos de 1 em cada 10 casos é notificado.

Foto: Unsplash / @cdc

Surto de sarampo

Baseado nesta estimativa, A OMS acredita que, em 2017, houve 6,7 milhões de casos de sarampo e 110 mil mortes causadas pela doença.

Doenças que podem ser evitadas com as vacinas

Além do sarampo, mais de 26 doenças podem ser prevenidas com vacinas, muitas delas letais e incapacitantes como difteria, hepatite, meningite e poliomielite.

Fatores que impedem o acesso às vacinas

Debilidade no sistema sanitário, falta de infraestrutura e de financiamento, além do desconhecimento sobre a importância das vacinas são os principais fatores que freiam o avanço da imunização global.

Falsos mitos sobre a importância das vacinas

Segundo a OMS, a relutância à vacinação, que tem tomado força nos últimos anos, é uma grave ameaça à saúde global. Nem um saneamento de qualidade é suficiente para evitar as doenças que as vacinas previnem, nem a imunização por contrair a doença de forma natural é segura.

As vacinas não causam autismo

Um artigo fraudulento, escrito em 1988, e posteriormente retirado pela revista que o publicou, relacionou, sem provas, a vacina tríplice viral com o autismo. Não só a OMS como toda a comunidade médica respeitável do mundo condenou a acusação. Atualmente, gigantes da internet como Facebook e Google têm se esforçado para eliminar qualquer informação falsa sobre as vacinas.

As vacinas são seguras

As vacinas produzem uma resposta imunitária no corpo sem o risco de causar a doença e suas graves complicações. Ainda no laboratório, seus componentes são submetidos a ensaios para determinar aspectos como a pureza e a potência.

As vacinas passam por várias comprovações

Depois da fase de análise de componentes no laboratório, é feito um ensaio clínico da inocuidade e eficácia em seres humanos.

Etapa pós-comercialização

Uma vez autorizados, lotes de vacinas são submetidos a ensaios pós-comercialização para verificar a uniformidade do processo de produção e vigilar algum possível incidente adverso.

Foto: Unsplash / Mat Napo

As vacinas também passam pela aprovação da OMS

Além de sistemas de regulamentação em cada país, a OMS também disponibiliza iniciativas de pré-qualificação de vacinas.

Foto: Unsplash / Hush Naidoo Jade Photography

 

As vacinas são um investimento

Uma cobertura eficiente de vacinação representa um investimento importante para as nações. Entretanto, permite economizar um valor muito maior em tratamentos.

A imunização diminui os gastos em tratamentos

Um exemplo do custo-benefício é a erradicação mundial da Varíola. Os US$ 100 millhões de dólares que foram gastos em vacinas ao longo de 10 anos, até 1977, permitiu economizar 1,3 bilhão de dólares em tratamento e prevenção.

Erradicação da poliomielite

A vacina contra a poliomielite, desenvolvida nos anos 50 pelo Dr. Jonas Salk (foto), quando a doença era comum em vários países, é outro exemplo de eficácia.

Erradicação da poliomielite

Apoiada por uma campanha mundial da OMS, a imunização contra a poliomielite reduziu em 99% sua aparição.

Novas vacinas surgirão

Desde 1923, quando a primeira vacina para prevenir a Difteria foi fabricada, muito se avançou na indústria dedicada ao ramo. A OMS aposta que o mundo caminha para desenvolver vacinas contra a AIDS, o paludismo e a tuberculose, além de outras adaptadas a necessidades específicas.

(Fotos da galeria: GTres)

Más para ti