Triângulo das Bermudas e outros mistérios que desapareceram

O que aconteceu com o Triângulo das Bermudas?
Entre Miami, as Ilhas Bermudas e Porto Rico
A bússola não funciona!
O desaparecimento de Atalanta
Voo 19
O livro que popularizou o mito
O tempo não passa igual
'O Triângulo Diabólico das Bermudas', o Filme
Um mar como qualquer outro
A Corrente do Golfo e outros fenômenos explicáveis
Atlântida
O continente perdido
The Sun anunciou a descoberta da Atlântida, mas...
Yeti: O Abominável Homem das Neves
Himalaia: a casa da fera
Uma espécie perdida na cadeia evolutiva
Alpinistas profissionais garantem ter visto uma figura peluda
Big Foot: lenda norte-americana
Foto do Pé Grande
Avistamentos
O monstro do Lago Ness
Círculos nas plantações: sinais extraterrestres?
Linhas de Nazca
Em busca da arca de Noé
Nas alturas do Monte Ararat
O navio animal
Fantasmas da vida
Um mundo enigmático
O que aconteceu com o Triângulo das Bermudas?

Durante as décadas de 1970 e 1980, falou-se muito de uma área nas ilhas tropicais das Bermudas onde aviões e navios esfumavam-se. O que aconteceu com aquele triângulo misterioso? E o Yeti, o Pé-grande, a Atlântida e outros enigmas dos quais muitos nem os conhecem hoje?

Entre Miami, as Ilhas Bermudas e Porto Rico

As histórias desse triângulo caribenho são um clássico para a geração daquela época e provocavam situações de grande angústia.

Imagem: Por Bermudan_kolmio.jpg: Alphaiosderivative work: -Majestic- (falar) - Bermudan_kolmio.jpg, Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=6916509

A bússola não funciona!

No Triângulo das Bermudas, bússolas pararam de funcionar, navios foram arrastados pelas correntes e nuvens devoraram aviões em seu caminho.

Imagem: Sesha Reddy Kovvuri/Unsplash

O desaparecimento de Atalanta

O primeiro grande incidente geralmente mencionado é o da fragata Atalanta, que "desapareceu com toda a sua tripulação depois de navegar do Estaleiro Naval Real, Bermudas para Falmouth, Inglaterra, em 31 de janeiro de 1880", segundo reproduz a wikipedia.

Foto: La Ilustracion Espanola y Americana, 30 de abril de 1880 - http://www.cervantesvirtual.com/descargaPdf/la-ilustracion-espanola-y-americana--770/, Public Domain, https://commons.wikimedia.org /w/index.php?curid=62595717

Voo 19

Muito também foi escrito sobre os 14 aviadores do voo 19 que partiram para treinamento em 1945 da base de Fort Lauderdale, na Flórida, e nunca mais retornaram. O radar os perdeu para sempre no Triângulo das Bermudas.

O livro que popularizou o mito

Entretanto, foi, na verdade, Charles Berlitz quem "inventou" o Triângulo das Bermudas, com um livro publicado em 1973. Este neto do fundador das famosas escolas de idiomas Berlitz ouviu histórias de pilotos e marinheiros que consideravam aquela área "amaldiçoada" e as recopilou em sua obra.

O tempo não passa igual

Em entrevista concedida em 1977 ao The New York Times, Charles Berlitz falou sobre como o tempo oscila ao entrar no Triângulo das Bermudas. Segundo ele, há pilotos que voam o que pensam ser alguns minutos e se encontram com o tanque vazio porque as horas se passaram. Outras vezes, os aviões chegam ao destino com duas horas de antecedência. E, em outras ocasiões, navios ou aviões simplesmente desaparecem.

Imagem: Leio McLaren / Unsplash

'O Triângulo Diabólico das Bermudas', o Filme

Todos estes mistérios terroríficos serviram de base para o filme 'O Triângulo Diabólico das Bermudas', dirigido pelo mexicano René Cardona Jr e estrelado por John Huston. Sim, é o mesmo diretor de clássicos como 'The African Queen', 'Prizzi's Honor' e 'The Dead'.

Um mar como qualquer outro

No entanto, essa lenda, que começou, realmente, nas décadas de 1960 e 1970 (como histórias de lobisomens em épocas anteriores), virou coisa do passado. Navios e aviões não desaparecem mais no Triângulo das Bermudas. E se acontecer um acidente, há uma explicação científica.

Imagem: Charlie Hales/Unsplash

A Corrente do Golfo e outros fenômenos explicáveis

De fato, as bússolas mudam de posição abruptamente em muitos lugares, devido a variações magnéticas naturais relacionadas aos polos. Além disso, o Triângulo das Bermudas está sob a influência da Corrente do Golfo, o que pode afetar a navegação, além de estar propício a fortes furacões.

Imagem: Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=4670129

Atlântida

Mas e se Atlântida, o lendário continente perdido, estiver sob as águas do Triângulo das Bermudas? Charles Berlitz também referiu-se ao lugar em sua entrevista ao The New York Times.

Imagem: NASA

O continente perdido

Um texto de Platão é a origem do mito de Atlântida. Há anos, especula-se sobre sua existência e localização. Por exemplo, as Ilhas Canárias espanholas foram apontadas como seu último vestígio). E não muito tempo atrás, houve quem acreditasse havê-la encontrado, de uma forma científica (ou quase).

The Sun anunciou a descoberta da Atlântida, mas...

O jornal The Sun, em 2009, usou esta imagem do Google Ocean para afirmar que aquelas linhas eram as ruínas de uma construção humana, que agora estava debaixo das águas do Oceano Atlântico. O Google foi rápido em esclarecer que eram sulcos na água da navegação de barcos, um mero efeito ótico. E Atlântida mergulhou de volta na lenda.

Imagem: Google Ocean

Yeti: O Abominável Homem das Neves

Em outros tempos mais ingênuos (antes da globalização) muito falou-se sobre o Yeti, "O abominável Homem das Neves". Tratava-se de uma espécie de hominídeo estranho que havia quem o descrevesse como um "elo perdido".

Himalaia: a casa da fera

A casa do Yeti eram os altos picos do Himalaia, onde alguns exploradores juravam tê-lo visto no meio da neve. No Tibete, esse monstro mítico é chamado Jigou. Seus parentes são o australiano Yowie, o kunk dos Andes sul-americanos e o chuchunga siberiano.

Imagem: Jeremy Benzager/Unsplash

Uma espécie perdida na cadeia evolutiva

Os avistamentos do Yeti sempre foram de poucos indivíduos e em condições climáticas extremas. Portanto, a ciência deu-lhes pouca confiabilidade. Um estudo de DNA realizado em 2017 com supostos restos do Yeti e espécies semelhantes, preservados em várias partes do mundo, concluiu, segundo o The Washington Post, que eram ursos (e um dente de cachorro).

Imagem: Pixabay

Alpinistas profissionais garantem ter visto uma figura peluda

No entanto, admitamos que o Yeti teve testemunhas excepcionais. Um deles foi o grande Edmund Hillary (na imagem com Sherpa Tenzing Norgay, com quem chegou ao topo do Everest pela primeira vez na história). O outro foi Reinhold Messner (o primeiro a escalar 14 cumes do Himalaia sem oxigênio). Ambos alpinistas afirmam ter visto uma figura peluda que poderia corresponder ao mítico monstro da neve.

Big Foot: lenda norte-americana

A versão norte-americana do Yeti, é o Bigfoot (Pé Grande). Trata-se de um cruzamento entre urso e gorila que sobrevive nas florestas da América do Norte. Ambas criaturas desapareceram dos mistérios atuais, certamente porque não há mais territórios selvagens e desabitados, onde possamos sonhar com suas presenças.

Foto do Pé Grande

No entanto, no século XX ainda havia natureza desconhecida nos Estados Unidos e lá, segundo a lenda, Bigfoot se refugiou. Em Eureka, Califórnia, foi feita esta imagem, uma suposta prova gráfica da existência daquele ser fantástico.

Avistamentos

Avistamentos de Bigfoot espalharam-se pela América do Norte ao longo do século XX. No século XXI ninguém (ou quase ninguém) o viu.

Imagem: De —User:Fiziker - Criei este trabalho inteiramente por mim mesmo a partir do mapa em branco em File:North America second level policy division.svg Transferido de en.wiki para Commons. pelo autor), Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=8775280

O monstro do Lago Ness

A mesma coisa acontece com o monstro do Lago Ness, na Escócia. Antes, tiravam fotos assim dele, mas, agora, ninguém consegue encontrá-lo!

Círculos nas plantações: sinais extraterrestres?

Outro mistério muito da imprensa do passado é o dos círculos nas plantações. Eles eram famosos nas décadas de 1960 e 1970, e apareceram principalmente na Austrália e no Reino Unido. Até que, em 1991, os britânicos Doug Bower e Dave Chorley revelaram que haviam feito cerca de 200 em mais de duas décadas. Um bom passatempo.

Imagem: De Jabberocky - Trabalho próprio, Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2484404

Linhas de Nazca

O que não foi obra de dois excêntricos, mas de um verdadeiro prodígio milenar, são as famosas linhas de Nazca, no Peru. Os desenhos só podem ser entendidos a uma altura considerável. Esses chamados geoglifos, mensagens aos deuses da cultura pré-colombiana, foram feitos entre 200 e 600 anos antes de Cristo. E continuam a surpreender.

Em busca da arca de Noé

Em 2010, o National Geographic publicou o artigo intitulado: 'Noah's Ark founds in Turkey?' ('Arca de Noé encontrada na Turquia?'). A possibilidade de que algum vestígio do navio bíblico que navegou durante o dilúvio permaneça escondido em algum lugar é algo que o buscador de mistérios gosta muito.

Nas alturas do Monte Ararat

A matéria refletia uma expedição que afirmava ter encontrado restos da Arca de Noé no Monte Ararat, localizado na fronteira da Turquia com a Armênia e o Irã. Esta montanha é quase sempre mencionada como o lugar onde Noé desembarcou após o dilúvio.

Imagem: Daniel Born / Unsplash

O navio animal

A expedição de 2010, segundo o The Daily Mail, teria encontrado "sete grandes compartimentos de madeira enterrados a 4 mil metros acima do nível do mar, perto do topo do Monte Ararat". A "descoberta" não foi fundamentada na forma de evidência científica e, como tantos mistérios, fracassou até seu próximo ressurgimento.

Imagem: Pixabay

Fantasmas da vida

Os fantasmas, entretanto, foram modernizados. O lençol icônico deu lugar a outras formas. Já em 1982, o famoso filme de terror 'Poltergeist' mostrava como os habitantes do além manifestam-se.

Imagem: Kevin Ecate/Unsplash

Um mundo enigmático

Lendas, crenças populares, fantasia ou, para quem acredita, realidade misteriosa. É o lado desconhecido do universo resumido em enigmas que às vezes assumem formas fabulosas e poéticas. E outras vezes, são simplesmente esquecidos.

Imagem: Greg Razoky/Unsplash

Más para ti