O segredo da Shein, a marca que revolucionou o mercado on-line

Shein: moda rápida a um preço baixo
Avaliada em 100 bilhões de dólares
O primeiro aplicativo de moda
16 bilhões de dólares em vendas
Shein: Nanjing-Guangzhou
Shein x Zara
Moda barata que rastreia tendências
O eficiente algoritmo da Shein
Produção rápida
Geração Z
O início
Nem tudo é positivo
Inspiração ou cópia?
Crítica
Fábricas subcontratadas
Investimento e meio ambiente
Qual o próximo passo?
Assim seria uma loja Shein
Chris Xu
Shein: moda rápida a um preço baixo

Seu modelo de negócio é simples: uma loja virtual de artigos e roupas da moda. Mas por trás disso, há um poderoso algoritmo capaz de rastrear as últimas tendências e prever a demanda de novos produtos em tempo real.

Avaliada em 100 bilhões de dólares

Shein, marca fundada na China, em 2008, conseguiu aumentar seu valor de mercado, em 2022, para 100 bilhões de dólares, segundo o The Wall Street Journal. Como isso aconteceu?

O primeiro aplicativo de moda

A marca encabeça o ranking IG Mobile, publicado pela Forbes, em 2022. Sua participação de mercado é de 50,3%, muito a frente de Vinted (em segundo lugar, com 37,9%) e H&M (em terceiro lugar, com 14,9%).

16 bilhões de dólares em vendas

A revista Vogue Business destacou o alto faturamento da Shein em vendas, durante 2021. A atuação da marca é descrita como "um desempenho espetacular que ofuscou concorrência".

Shein: Nanjing-Guangzhou

Esta gigante nasceu na cidade chinesa de Nanjing (foto) e, logo em seguida, virou um grande centro de produção em Guangzhou. A empresa usa um sistema chamado "varejo em tempo real".

Shein x Zara

O crescimento da Shein é tão notável, que chega a ameaçar a espanhola Zara. O jornal El País garantiu que a marca chinesa tem ganhado o terreno da concorrente, até então imbatível, e acrescentou um comentário importante sobre sua eficiência técnica.

Imagem: ID de destaque / Unsplash

Moda barata que rastreia tendências

O sucesso está ligado aos preços extremamente baixos e a rapidez em identificar as principais tendências da moda. Este processo é realizado através de algoritmos que rastreiam Tik Tok, Instagram, Amazon, entre outros.

O eficiente algoritmo da Shein

Mark Greeven, professor de Inovação da escola de negócios IMB, em Lausanne, explicou ao El País: “Protótipos de milhares de peças aparecem diariamente na plataforma da Shein e, com base no monitoramento do comportamento do usuário, é capaz de prever a demanda e a quantidade de itens que realmente serão necessários no estoque.”

Produção rápida

Com esses dados, a Shein é capaz de produzir, com enorme velocidade, roupas e acessórios que fascinam o público jovem.

Geração Z

Além disso, Shein teve seus produtos exibidos por grandes influenciadoras, nas redes sociais. Na imagem, de 2017, Bianca Derhy usa uma saia da marca, na Paris Fashion Week. É um bom exemplo de como a empresa introduz seus artigos em ambientes populares e sofisticados, ao mesmo tempo.

O início

Pouco se sabe sobre a história da marca, mas alguns meios de comunicação já afirmaram que a Shein começou com uma loja online, especializada em vestidos de noiva.

"Luxo acessível"

A marca é um enorme sucesso entre o público mais jovem. O Harper's Bazaar definiu a coleção MOFT, da Shein da seguinte maneira: "A marca está reinventando o luxo acessível, com um toque regional". Enquanto isso, as festas Shein (como a da imagem, no México) não param.

Nem tudo é positivo

Já a revista de moda britânica, Dazed, disse que a Shein copia o design de outras marcas. A publicação mencionou, inclusive, que as empresas Levi's, Dr. Martens e Ralph Laurena a acusam de plágio.

Inspiração ou cópia?

É muito comum usar modelos de grandes empresas como inspiração, sobretudo no mercado de moda de baixo custo. No entanto, a revista Dazed revelou que pequenos estilistas independentes também acusaram Shein de copiá-los.

Crítica

Além disso, as grandes empresas da moda, incluindo a Shein, são fortemente criticadas por sua conduta anti-ambientalista e pelas más condições de trabalho de seus funcionários, geralmente subcontratados e com salários baixos.

Fábricas subcontratadas

Quase sempre que a indústria da moda trabalha com um modelo globalizado de subcontratação, não há um controle eficiente das condições de trabalho. Segundo a BBC, uma investigação revelou que, em algumas fábricas, suas funcionárias trabalhavam até 75 horas por semana.

Investimento e meio ambiente

Na última rodada de financiamento feito pela Shein (na qual foi avaliada em 100 bilhões de dólares), um dos objetivos era justamente investir em tecnologia de captura de ar, para combater a poluição.

Qual o próximo passo?

Em 2021, a revista Forbes abriu o debate: a marca chinesa estaria pronta para abrir lojas físicas permanentes? Isso significaria competir diretamente com Zara, H&M, Primark e outras grandes marcas do setor.

Assim seria uma loja Shein

As inaugurações de lojas pop-up, como esta em Madri (Espanha), dão uma ideia de como seria uma versão permanente. Mas a transição do e-commerce para uma rede de lojas físicas é complexa. Talvez o algoritmo de sucesso da Shein não funcione tão bem neste setor.

Chris Xu

O fundador da empresa, Chris Xu, nasceu nos Estados Unidos e formou-se na Universidade de Washington. O empresário combina a mentalidade empreendedora estadunidense com a maneira metódica de trabalhar chinesa. Assim, ele criou o "fenômeno Shein", que revolucionou o mercado da moda online e fascina o público jovem ao redor do mundo.

Más para ti