Grande Substituição, a teoria racista que ganha espaço nos Estados Unidos

Uma teoria que alimenta crimes de ódio nos EUA
Payton Gendron pode ter acreditado na teoria
Uma teoria da conspiração
Uma teoria endossada por supremacistas brancos
Preocupação com a extinção da raça branca
Uma ameaça à nação
Uma teoria com raízes na França
Le Grand Remplacement
Camus acredita que a Europa está sendo
Influenciado por outra obra
Supremacistas brancos culpam a comunidade judaica
Antissemitismo
Um slogan de 14 palavras
Um slogan criado por David Lane
Maior número de crimes de ódio em 12 anos
Uma teoria que alimenta crimes de ódio nos EUA

A "Grande Teoria da Substituição" pode estar por trás dos ataques racistas que assolam os Estados Unidos, como o mais recente tiroteio em massa por parte de um homem branco.

Payton Gendron pode ter acreditado na teoria

Payton Gendron, de 18 anos, é acusado de matar dez pessoas e ferir outras três, em um supermercado da cidade de Buffalo. Ele teria declarado em um manifesto que a queda na taxa de natalidade de pessoas brancas era basicamente um genocídio.

Uma teoria da conspiração

A teoria da Grande Substituição baseia-se na ideia de que pessoas negras estão sendo levadas para países ocidentais como os Estados Unidos, em um esforço para "substituir" os eleitores brancos, com o objetivo de alcançar uma agenda política.

Uma teoria endossada por supremacistas brancos

O Fórum Nacional de Imigração relata que supremacistas brancos e grupos anti-imigração frequentemente endossam a teoria.

Preocupação com a extinção da raça branca

De acordo com a NPR, muitos supremacistas acreditam que um influxo de imigrantes não brancos “levará à extinção da raça branca” e que, por causa disso, os Estados Unidos deveriam fechar-lhes as fronteiras.

"Pessoas de cor são vistas como uma ameaça"

A rádio NPR conversou com Adolphus Belk Jr., professor de ciência política e estudos afro-americanos da Universidade Winthrop. Ele diz que movimentos como o da Grande Substituição ganham popularidade quando "pessoas de cor são vistas como uma ameaça nas esferas política e econômica".

Uma ameaça à nação

Em outras palavras, segundo Belk, os nacionalistas brancos têm medo de não serem mais a maioria da população e, portanto, veem as pessoas de cor como uma ameaça tanto para si mesmos quanto para a nação.

Uma teoria com raízes na França

De acordo com o Fórum Nacional de Imigração, a teoria da "Grande Substituição" tem sua origem em livros de nacionalismo francês do início dos anos 1900.

Le Grand Remplacement

Mas a aplicação atual da teoria é atribuída ao escritor francês Renaud Camus (foto), que escreveu "Le Grand Remplacement" ou 'The Great Replacement', publicado em 2011.

Camus acredita que a Europa está sendo "colonizada por imigrantes negros e pardos"

Em seu livro, Camus promove a crença de que os europeus brancos "estão sendo colonizados por imigrantes negros e pardos, que inundam o continente no que equivale a um evento de nível de extinção".

Influenciado por outra obra

Camus foi influenciado pelo romance de 1973, 'The Camp of the Saints' ('O Acampamento dos Santos', em tradução livre'), do autor francês Jean Raspail. A obra conta a história de imigrantes que trabalham juntos para dominar a França.

Supremacistas brancos culpam a comunidade judaica

De acordo com a Liga Anti-Difamação (ADL), muitos supremacistas estão furiosos com a comunidade judaica nos Estados Unidos.

Antissemitismo

ADL diz que eles culpam a comunidade judaica pela imigração não-branca nos Estados Unidos. A teoria da substituição também está associada ao antissemitismo.

Um slogan de 14 palavras

O movimento usa um slogan de quatorze palavras: "Devemos garantir a existência de nosso povo e um futuro para as crianças brancas".

Um slogan criado por David Lane

O Southern Poverty Law Center diz que o slogan foi feito por David Lane (foto), um membro proeminente da The Order, um grupo de supremacia branca.

Maior número de crimes de ódio em 12 anos

As consequências do movimento da "Grande Substituição" são extremamente visíveis nos Estados Unidos, hoje. Em 2021, o FBI informou que os crimes de ódio nos EUA estavam no nível mais alto dos últimos doze anos, principalmente devido a um aumento maciço de ataques a americanos asiáticos e negros.

"Abominável para o próprio tecido desta nação"

Em sua declaração sobre o tiroteio em massa em Buffalo, em meados de maio, o presidente Joe Biden disse: "Um crime de ódio racialmente motivado é abominável para o próprio tecido desta nação. "

"Terrorismo doméstico alimentado pelo ódio"

Biden continuou: “Qualquer ato de terrorismo doméstico, incluindo um perpetrado em nome de uma repugnante ideologia nacionalista branca, é antitético a tudo o que defendemos na América. Terrorismo doméstico alimentado pelo ódio."

Más para ti