Este é o nome perfeito para alguém, segundo um algoritmo

Como chamamos nosso filho?
Mais de 90 mil nomes para escolher
A invenção
1. O nome não pode ser confundido com outro
2. Deve ser facilmente pronunciado (não é o caso de Saoirse Ronan)
3. Um nome atemporal, mas não muito na moda (Ethan atendeu às duas condições)
4. Um nome que não seja estranho
5. Um nome não muito comum
6. Um nome que não tenha inspiração muito religiosa
7. Um nome curto
8. Que seja fácil de soletrar
9. Um nome sem possibilidade de encurtamento
10. Um nome que não seja o apelido de outro
11. Um nome que soe bem em chinês
12. Sem ambiguidade de gênero
O nome vencedor
O nome do bebê não seria matemático?
Como chamamos nosso filho?

Nick Winter é um blogueiro e pai que mora na costa oeste dos Estados Unidos. Antes de ele e sua parceira Chloe Fan trem seu primeiro filho, em 2015, enfrentaram a grande questão de todos os casais com um bebê a caminho: que nome dá-lo? Esta é a história de como, através de um algoritmo, eles encontraram "o nome perfeito".

Imagem: CHUTTERSNAP / Unsplash

Mais de 90 mil nomes para escolher

Assim foi como Nick contou sua saga em seu blog: "Baixei todo o banco de dados de nomes da Previdência Social. São 93.600 nomes que foram usados pelo menos 5 vezes em um ano desde 1880. Vão de John e Mary a Aaqil e Zyree".

A invenção

Usando esses dados, Nick desenvolveu o Bantling, um algoritmo que o ajudou a escolher um entre milhares de nomes possíveis, usando 12 regras fáceis de seguir. Continue na galeria para saber quais são e o resultado final!

1. O nome não pode ser confundido com outro

Nomes que soam muito parecidos com outros foram excluídos pelo sistema. Por exemplo, Katie (como o da atriz Katie Holmes), pois  poderia ser facilmente confundido com Catie, Cathy, Kathy etc.

2. Deve ser facilmente pronunciado (não é o caso de Saoirse Ronan)

Nomes que poderiam ser pronunciados de duas maneiras diferentes, ou que tinham R também foram descartados pelo algoritmo de Nick e Chloe. Saoirse Ronan é um bom exemplo. A estrela de 'Lady Bird' falou durante o 'The Ellen DeGeneres Show', em 2016, sobre a confusão com o seu nome, prováveis rimas em inglês e outras comparações irritantes.

3. Um nome atemporal, mas não muito na moda (Ethan atendeu às duas condições)

Nomes muito antiquados ou muito na moda também foram descartados pelo algoritmo. Claro que isso pode ser subjetivo. Ethan é um bom exemplo de um nome antigo que, de repente, tornou-se popular nas últimas duas décadas. De acordo com os dados do Censo dos EUA, 97% dos 'Ethans' americanos nasceram depois de 1989. Uma exceção à frente de seu tempo? o ator Ethan Hawke.

4. Um nome que não seja estranho

Os nomes mais estranhos também ficaram de fora da seleção do algoritmo. Algo como Kanye pode ser familiar atualmente graças ao músico Kanye West, entretanto, certamente chamaria atenção demais na escola.

5. Um nome não muito comum

Escolher um nome muito comum também não era uma boa ideia. O comediante britânico David Mitchell (foto), por exemplo, já foi questionado sobre isso em um episódio de sua comédia 'Peep Show'. Ele já brincou em entrevistas com o fato de compartilhar nome e sobrenome com um político do Partido Conservador.

6. Um nome que não tenha inspiração muito religiosa

Nomes que são muito religiosos, ou especificamente bíblicos, também foram omitidos por este casal de Seattle. Oprah Winfrey era para ser Orpha, em homenagem a uma mulher mencionada no Livro de Ruth. No entanto, as pessoas não pronunciavam bem e "Oprah" venceu seu nome verdadeiro.

7. Um nome curto

Uma das regras estabelecidas por Nick Winter era que os nomes não podiam conter muitas letras ou sílabas. Um exemplo claro é Lady Gaga, muito mais cativante que Stefani Joanne Angelina Germanotta (seu nome verdadeiro).

8. Que seja fácil de soletrar

O algoritmo também penalizou nomes que não são fáceis de soletrar em voz alta. A cantora Liza Minelli teve que compor uma música intitulada "Liza com  Z" para que parassem de pensar que seu nome era Lisa.

9. Um nome sem possibilidade de encurtamento

Por que ser chamado de Benedict Cumberbatch quando Ben Cumberbatch funciona tão bem?

10. Um nome que não seja o apelido de outro

O algoritmo também ignorou nomes que eram apelidos de nomes mais longos. O ator de Hollywood e ex-marido de Angelina Jolie, Billy Bob Thornton, certamente não ficou muito feliz com essa regra.

11. Um nome que soe bem em chinês

A parceira de Nick, Chloe, é chinesa, então era importante que o nome de seu filho fosse fácil de pronunciar para falantes nativos de chinês. Algo justo, considerando que as estrelas asiáticas vêm adaptando seus nomes à cultura ocidental há anos. A estrela de 'Mulan', Liu Yifei, por exemplo, costumava trabalhar com o nome de Crystal Liu.

12. Sem ambiguidade de gênero

Nomes com gênero ambíguo também foram rejeitados. Essa regra é complicada conforme os nomes e a sociedade evoluem. Muitos nomes derivados de sobrenomes ingleses, como Taylor, Madison ou Parker, costumavam ser vistos como masculinos, há algumas décadas. A cantora Taylor Swift está aí para provar.

O nome vencedor

No final, Nick e Chloe chegaram a 3.650 nomes e os filtraram com base no único critério do gosto. O casal também pediu a opinião de pessoas desconhecidas. Finalmente, optaram por dois: Hazel para uma menina e Max para um menino. Os nomes (supostamente) perfeitos. Max nasceu em julho de 2015.

O nome do bebê não seria matemático?

Mas se revisarmos as regras usadas pelo algoritmo, Max não estaria quebrando algumas delas? Pode ser, mas, no final, a decisão amorosa de uma mãe e de um pai é a única coisa que conta.

Imagem: Omar López / Unsplash

Veja também: É o fim do Facebook?

Más para ti