Doenças quase desconhecidas que podem virar ameaças mundiais

Humanidade sempre em perigo de pandemia
Nipah: entre 40% e 75% de mortalidade
Nipah, um vírus altamente contagioso
Mortal
Dengue
Aumento explosivo em quase todas as partes do mundo
Dengue na Europa
Zika: primeiro em macacos
Microcefalia por Zika
Espalhando-se pelo planeta
Desmatamento da Amazônia como ameaça pandêmica
Vírus do Nilo Ocidental: de Nova York à África
Do pássaro ao mosquito e do mosquito ao ser humano
Pode causar a morte
Aumento das temperaturas e seca
Doença de Lyme
Comum nos Estados Unidos
Ebola: uma tragédia africana
Ebola
E as doenças que ainda não conhecemos
Humanidade sempre em perigo de pandemia

Na história da humanidade, um padrão se repete: pandemias causadas por novos tipos de doenças que são transmitidas de animais para humanos. São as chamadas zoonoses. Aconteceu com a gripe histórica, com a covid-19, com a varíola e, segundo a ciência, é muito provável que outras estejam no mesmo caminho.

Nipah: entre 40% e 75% de mortalidade

O morcego da imagem (a “raposa voadora” que come frutas e vive em partes da África, Ásia e Oceania) é o reservatório (lugar de refúgio) de um vírus que se espalha facilmente e mata. Segundo dados da OMS, o Nipah, como é chamado tem uma taxa de mortalidade entre 40% e 70%.

Imagem: Do usuário:Raul654 - Trabalho próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=529930

Nipah, um vírus altamente contagioso

Existem dois fatores que aumentam o perigo do Nipah. Em primeiro lugar, os p o r c o s são especialmente vulneráveis ao vírus. Assim, a infecção pode saltar mais facilmente destes animais para os humanos. Em segundo lugar: o vírus fica incubado mais de um mês, sem sintomas e, durante esse período, pode ser contagioso.

Imagem: Kenneth Schipper Vera/Unsplash

Mortal

Os surtos de Nipah têm sido episódicos e pequenos, até agora. Foram localizados principalmente na Ásia, mas o que os cientistas viram desperta o alarme. Um exemplo coletado pela BBC: em Bangladesh houve 196 casos de Nipah entre 2001 e 2011. Um total de 150 pessoas infectadas morreram.

Imagem: Niloy Biswas/Unsplash

Dengue

As mudanças climáticas e a globalização contribuem para que as doenças tropicais viagem para outras partes do planeta. O mosquito da imagem (aedes aegypti) transmite a dengue. Essa doença causa febre alta, fortes dores nas articulações (em alguns países é conhecida como "febre dos ossos") e, em sua forma mais grave, hemorragias que podem causar a morte.

Aumento explosivo em quase todas as partes do mundo

A OMS admite que a dengue multiplicou sua incidência nos últimos tempos. Segundo seus dados, antes de 1970, apenas nove países haviam sofrido epidemias de dengue. Agora, em mais de 100, a doença é endêmica. Mesmo muito longe de climas tropicais, como é o caso da Europa.

Dengue na Europa

Segundo a OMS, "em 2010, a transmissão local da doença foi relatada, pela primeira vez, na França e na Croácia, e casos importados foram detectados em outros três países europeus. Em 2012, houve um surto de dengue no arquipélago da Madeira (Portugal) de cerca de 2 mil casos. Outros importados apareceram em outros 10 países europeus, além de Portugal Continental".

Imagem: Calvin Hanson/Unsplash

Zika: primeiro em macacos

O vírus Zika foi detectado, pela primeira vez, em macacos da Uganda. É inoculado por um mosquito e causa sintomas leves (febre, erupção cutânea, dores musculares...). O mais provável, inclusive, é que a pessoa infectada seja assintomática. Mas o problema é quando atinge uma gestante. As consequências para a criança que nasce são terríveis.

Imagem: Olivier Guillard/Unsplash

Microcefalia por Zika

O vírus Zika em gestantes causa malformações nos bebês, principalmente microcefalia. Geralmente é acompanhado por danos cerebrais e há uma grande possibilidade de causar a morte do recém-nascido em 10 dias.

Imagem: Do Centers for Disease Control and Prevention - https://www.cdc.gov/ncbddd/birthdefects/images/microcephaly-comparison-500px.jpg, Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index .php?curid=46674502

Espalhando-se pelo planeta

A OMS informa, em seu site, que o primeiro grande surto de Zika ocorreu na ilha de Yap, na Micronésia, em 2007. Em 2013, houve outro na Polinésia e, em 2015, eclodiu no Brasil. Mas já existem casos quase no mundo todo. Espanha, França, Alemanha e Reino Unido detectaram infecções por Zika nos últimos anos.

Desmatamento da Amazônia como ameaça pandêmica

A grande explosão do Zika no Brasil é atribuída, por alguns especialistas, ao desmatamento da Amazônia e à irrupção de grandes grupos humanos em áreas antes selvagens. Um mosquito que só picava animais testa, agora, o sabor do nosso sangue e nos transmite uma doença para a qual não estamos preparados.

Vírus do Nilo Ocidental: de Nova York à África

O chamado vírus do Nilo Ocidental desembarcou em Nova York em 1999 e causou um surto nos Estados Unidos. A origem desta doença está nas aves. Novamente, outro caso de zoonose.

Do pássaro ao mosquito e do mosquito ao ser humano

O vírus do Nilo Ocidental está em muitos tipos de aves. Quando um mosquito pica essa ave e depois um humano, o contágio acontece. Pardais, pombos, tentilhões e outras espécies estão envolvidas.

Imagem: Tobias Roth/Unsplash

Pode causar a morte

Não é um dos vírus com grande mortalidade, mas, segundo a OMS, um em cada 150 casos torna-se grave e leva à chamada "febre do Nilo", que mata pacientes vulneráveis. Um exemplo aconteceu nas cidades espanholas de Coria del Río e La Puebla del Río, em 2020: 176 infectados e sete mortes.

Imagem: Olga Kononenko/Unsplash

Aumento das temperaturas e seca

Em outras palavras: muitas das doenças descritas nesta galeria se espalham devido ao aumento de temperatura do planeta. Os aquíferos secam e espécies (mosquitos, sobretudo) invadem áreas que antes não frequentavam. Assim, doenças consideradas “exóticas” têm incidência em locais onde sua origem, seus sintomas e a forma como agir são desconhecidos.

Imagem: Markus Spiske/Unsplash

Doença de Lyme

Um carrapato infectado pode transmitir a doença de Lyme, cuja disseminação nos últimos anos também tem deixado a OMS em alerta. A presença de seres humanos em territórios selvagens, sua convivência com animais que deveriam estar longe de nossa espécie fazem com que as picadas de carrapatos sejam cada vez mais numerosas e, portanto, também a possibilidade de contrair uma doença que pode se tornar crônica.

Imagem: Da foto de Scott Bauer. - Esta imagem foi divulgada pelo Serviço de Pesquisa Agrícola, a agência de pesquisa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, com o ID k8002-3 (próximo)., Domínio Público, https://commons.wikimedia.org/w/index. php?curid=363940

Comum nos Estados Unidos

A doença de Lyme, geralmente, causa dor de cabeça, febre e dor nas articulações. Mas, se não for tratada, pode levar à paralisia facial, palpitações e distúrbios neurológicos. Em parques naturais dos EUA, são relatadas centenas de infecções.

Imagem: Lukas Parker/Unsplash

Ebola: uma tragédia africana

Deixamos o Ebola para o final. É uma doença muito assustadora porque, segundo a OMS, sua taxa de letalidade pode ultrapassar 50%, de forma recorrente. Devido às suas características (só se espalha quando há sintomas e os sintomas são muito evidentes - vômitos com sangue abundante), os surtos puderam ser controlados e quase não saíram da África. Mas...

Ebola

Em um mundo tão globalizado e onde os movimentos são muito rápidos de um ponto a outro do planeta, já houve casos de Ebola no Reino Unido, Espanha, Itália e Estados Unidos, por exemplo. Felizmente, os pacientes foram controlados e não morreram (exceto um nos Estados Unidos). A medicina dos países desenvolvidos faz a diferença em termos de letalidade, o que não acontece na África. Em 2014, um surto na República Democrática do Congo matou 49 pessoas. A letalidade foi de 74%.

E as doenças que ainda não conhecemos

Cientistas alertam sobre os perigos das zoonoses e sobre o surgimento de novas doenças que nem conhecemos.  Restaurar o equilíbrio entre os seres humanos e a natureza é necessário para evitar novas ameaças à saúde mundial.

Imagem: Jeremy Bezanger/Unsplash

Veja também: Quanto tempo resta ao Planeta Terra?

Más para ti